12 de novembro de 2015

Mas que zoológico é este?

Big Bad Wolf?! Eu não quero ser um lobo... Nem uma fada!

A questão zoomotora começou há menos de um mês. Caracolinhos, a Fada, o meu lobo, perdão, a minha fada, ai!, o meu sobrinho mais novo, de quatro anos, estava comigo na rua, perto de casa para onde regressávamos, de mão dada, claro. A verdade é que estava aflitinha para ir à casa de banho, então, acelerando muitíssimo o passo, disse-lhe:
- Anda, vamos a galope!
E ele, zás. Pára e finca os pés no chão.
- Tatia!, eu não quero ser um cavalo.
Adiante. Ele vê-me fazer yoga. Sempre viu. E, tal como o irmão, de vez em quando vem fazer uma yogazinha básica comigo. Algumas posturas tem nomes de animais: cão de focinho para baixo ou para cima; a do gato que vem antes ou depois da vaca; fazemos a cobra e naturalmente a águia que não a leva nas garras; o pombo; o peixe que por alguma razão sempre me deu vontade de rir e faço boca de peixe para compor o figurino com caretas de aquário; o leão de língua de fora; o diabo do pavão anti-gravidade que não consigo, vaidoso!, e mais uma série delas. Então. Tínhamos terminado a tal yogazinha básica quando, aproveitando o facto de já estarmos no chão, lhe digo:
- Olha, põe-te de barriga para baixo, de gatas, vamos andar como urso e depois como o crocodilo…
- Não quero andar animal. Quero andar como um menino!