23 de maio de 2015

Carta ao meu Amor - última!

É a última alegria que lhe dou por correspondência!

Amor dum raio!
Acabou-se. Perdi a paciência. Preciso de uma prova de vida. Acha bem uma mulher ter de pedir isto ao seu próprio marido?! Escrevi-lhe três, umaduastrês lindas cartas, e respondeu-me? Pois sim… Não se justifique. As justificações irritam-me porque, olhe, azarucho do caneco, sou crédula, portanto, nem tente que não o posso ouvir - detesto ser crédula. Por mim, até pode ter estado a fazer serviço humanitário, ter sido raptado e estar a recuperar num hospital: não tem perdão nem tenho peninha de si. Sofra.
Enfim. Venho dizer-lhe que está com os dias contados. Vou dar-lhe um prazo findo o qual desapareço mais depressa do que a Cinderela do baile. E pior. Peço-lhe um divórcio mental que até vê a vida a andar para trás por não ter andado para a frente. E depois vai andar aiaiaiaiai. Está avisado. Para o bem e para o mal: levo muito tempo para tomar uma decisão. Mas depois de a tomar…
Desapareço-lhe! E depois vá queixar-se a Annie Leibovitz...

Aos factos. Viu An Affair To Remember? Soa-lhe a chick-flick? Não viu? Tem a mania de que não gosta de comédias/dramas românticos? Não quer dizer? Não sou telepática, veja o filme, svp. A cena à refeição, creio que ao jantar, é giríssima, deixa-me sempre a rir. E a menina, a Deborah, tem alfinetes. Eu gosto. Umas alfinetadazinhas, vá, estimulam a circulação aos rapazes - quem manda que sejam uns vaidosões? Tau-tau.
E podemos ir comer quelque chose...

Tem de ver! Já está de dvd na mão? Nickie Ferrante, Cary Grant, e Terry McKay, Deborah Kerr, em viagem de volta a casa, a Nova Iorque, e ainda no navio de onde regressam da velha e boa Europa, marcam encontro para dali a seis meses, no Empire State Building. Claro, acontece muito lailailai até esse momento, não posso dizer o quê para não lhe estragar o filme. Adiante. Por razões que não posso contar, Terry não vai ao encontro dele. Ela não vai, mas eu vou. Ter consigo, se vier ter comigo. Ao Empire State, não, porque depois disso já lá foi a Meg Ryan com o Tom Hanks, no Sleepless in Seatle - sim, gosto de comédias românticas, gosto de me rir e comer gelado a vê-las. E gosto do Natal. Das ruas iluminadas. Que quer, sofro de uma grande falta tédio e de afectação. Acho bonito, sou como os índios e os miúdos, não é segredo, já o disse: brilha, gosto, fico contente.
Resumido. Dia 21 de Dezembro de 2015, segunda-feira, já é a semana do Natal, Lisboa está linda – bem sei, agora com os jacarandás a florir, também. Gosto tanto dos jacarandás em flor, sou um público fácil para o show da natureza. Derivo. Marcou na agenda? 21.12.15 - encontrar o Amor. Onde? Na livraria. Na Pó dos Livros. À hora de almoço, aí pela uma tarde? Sou do tipo praticamente pontual. 
Um beijo da sua linda mulher,
EV