1 de agosto de 2014

Visão, tenha duas: Um vestido branco


Voltámos. Meia-noite e duas Visões. O Manuel Fonseca e eu ficámos a olhar para esta capa da Visão. Vimos o que vimos que é o que cada um de nós conta. São duas Visões. Também nos pode contar a sua.


“Visão, tenha duas”

Ps: o Cão é territorial, traz o osso dali para aqui, e o outro osso também.

UM VESTIDO BRANCO
Se um vestido branco salva… tem uma poética romântica e erótica que faz um clic qualquer na cabeça dos homens que só pensam em despi-lo.
Como sofro de uma grande falta de romantismo chamo-lhe o efeito pureza-roupa interior. A primeira parte do efeito deve-se à secante rainha Vitória que desgraçou os vestidos de noiva para todo o sempre ao metê-los no Omo que ainda não parou de os lavar mais branco. A segunda é porque estes vestidinhos têm uma leveza de antiga roupa de baixo, e a sugestão de escândalo com oh meu amor pelo meio: partes iguais de uma coisa e o seu contrário, bem integradas, a inocência e o lailailai, o cocktail ideal para a mulher completa.
Diante do vestido branco, o homem não tem hipótese: ou está no altar ou está onde a mulher o quer.
Diante do vestido branco o homem é o coelhinho branco e está na cartola da ilusionista. Um vestidinho branco é poder. Dissimulado. Portanto, cuidado com o xeque-mate da rainha, o mais simples e sempre eficaz.
O vestidinho branco leva-se para a praia e usa-se no campo, seja com colares de pedras e búzios, ou o cabelo com flores, e já o vestidinho parece um despidinho de ilha dos amores.
Se é um vestido de noite longo faz um estrago de luz entre tanto vestido preto, nude, colorido. Par para o branco só o encarnado e não é garantido que consiga ganhar-lhe. Mas se qualquer macaco sem rabo sabe usar de dia um vestidinho branco, em vestido de noite tem que se lhe diga e, ou a minha amiga tem porte de Miss Jolie, ou não é para si, nem para mim – não vem mal ao mundo, há outros vestidos perfeitos com a claridade da lua que assentam em cada curva melhor do que a alta costura: quando se veste a camisa branca dele ou se enrola no lençol.