22 de maio de 2014

A lady Di e a Lhasa de Sela


PA'LLEGAR A TU LADO

É a culpa. É a puta da culpa.
Põe-me a ruminar pensamentos:
isto não chega,
não fizeste nada
e tens a morte
a querer morder-te
os calcanhares.
Corre.
Mas não posso
correr com a morte
a fazer-me sombra.
Não aprendi
a produtividade do medo,
nem as letras do desgosto,
lentificam-me as teclas -
tenho uma adição nesta hora
sem permissão para vícios:
preciso de uma dose diária,
uma só, puríssima,
de alegria ou de esperança
ou de ti.
Tens de perceber, há quem tenha
terrores nocturnos em idade adulta,
eu chamo-lhe insónias.
E se morro agora que a vida me está a começar?
Logo agora que sei quem sou, se me falta o tempo
para ser?
Estas coisas acontecem, sabes?,
nem vou falar de amigas caídas como folhas doentes,
da corrosão das células a subir das raízes das árvores,
nem de estúpidos acidentes,
olha a lady Di
e a Lhasa de Sela.