17 de setembro de 2015

Minha Mulher, A Solidão

Este é o lindo e novíssimo  Fernando Pessoa, da Guerra & Paz Editores. Uma obra ao negro, é certo, e ao rubro também. 


O ano passado oferecemos-lhe um Fernando Pessoa em capa de madeira. Este ano, queremos fazer o livro que reúne os textos de Pessoa & heterónimos sobre as mulheres, o casamento, o amor e o desejo. Inspirados num verso do autor, vamos chamar-lhe Minha Mulher, a Solidão. Mas vamos também chamar-lhe, porque há outros textos que assim o exigem, Conselhos a Casadas, Malcasadas e algumas Solteiras.

É um livro ambicioso, de grande dimensão, 24x24 cm, capa de cartão, 3,5 mm de espessura, títulos e nome do autor em estampagem serigráfica a vermelho e negro. O miolo com dois tipos de papel Munken, ambos de 150 gramas, mas com tonalidades diferentes. Vai ser um livro a preto e branco rasgado a pantones vermelhos. O que os franceses chamam um «beau livre».

Ainda estamos a fazê-lo, mas vai ficar assim:

Mas será que Pessoa e heterónimos escreveram só sobre mulheres. Ou será que há por descobrir, na poesia e na prosa do autor, uma sexualidade selvagem e inflamada? Há. Basta ler as odes de Álvaro de Campos. Fomos buscar esses textos e fizemos um segundo livro, que irrompe, em papel de jornal, pelas páginas de Minha Mulher, a Solidão. Tudo colado à mão.

Para um livro assim, surpreendente e irreverente – que vai dar a muitos leitores uma nova visão de Pessoa – tínhamos de encontrar soluções gráficas igualmente irreverentes. Além das três faces do miolo pintadas à mão a vermelho, não se admire, por isso, que o miolo do livro esteja preso só por uma face à capa, ficando a lombada com costura à vista. Um livro artesanal.

São grandes e extraordinários textos de Campos, Bernardo Soares, Barão de Teive, enfim, de Pessoa & Companhia. Mas temos outros convidados: uma pintura original da artista Ana Vidigal (mais uma colagem à mão) abre o livro num díptico, e há um texto-poema, de Eugénia de Vasconcellos, a dialogar hoje com a mulher de ontem de Pessoa.
Deste livro, que chega às livrarias no final de Outubro, serão comercializados apenas 1.850 exemplares, todos numerados. Edição única. Este livro não voltará a ser impresso.

Precisamos, amigos e leitores da Guerra e Paz, que nos ajudem a fazer esta obra. Sim, o crowdfunding já chegou à edição. Vale a pena adquirir já este livro que ainda não existe. Ajude-nos a criar um livro de qualidade e compre, agora, por 33€, um livro que, depois, no Natal, vai custar 55€.  Pode comprar Minha Mulher, a Solidão por apenas 33 €, desde que o faça a partir de hoje, dia 11 de Setembro, e até 16 de Outubro, no site da editora.

Vá ao nosso site e adquira o livro, poupando 22 €. Ajude-nos a fazer edições de alta qualidade.

Compra limitada à oferta existente. Os livros adquiridos serão enviados para a morada que nos indique, a partir de 20 de Outubro. Portes de envio (para Portugal e Ilhas) suportados pela editora.