2 de abril de 2015

Surpresa!

Páscoa ii
Ó...
O dia das mentiras já acabou e a minha querida amiga não conseguiu fazer tantas maldades quantas gostaria... ó. Ainda por cima estamos na quaresma económica e social há que anos! É só caras sérias, dramas, enfim, o diabo. E piora. Queria passar a Páscoazinha fora, fazer umas mini-férias ou, pelo menos, umas consoladoras compritas? Pois eu também. E nada. Nicles. Diante deste quadro de sexta-feira santa, o melhor é agir. Como? Explico tudo.
Há uma crise de emprego, não há? Seja generosa, empreendedora, crie emprego. De duas formas distintas.
1. Colabore com quem os tem para que os mantenha, criando necessidade de serviço.
2. Ofereça uma experiência aos seus amigos - sim, estas maldades, perdão, bondades surpresa, só as fazemos a gente de quem gostamos.
Que experiência? Bem, não há-de ser uma viagem de balão, uma prova de vinhos, nem um daqueles spas de barrar uma pessoa com lama. Muito melhor. A oportunidade de se vislumbrarem numa vida diferente. Talvez decidam mudar o rumo profissional. Ou lhes confirme a vocação. Ou lhes dê um coração grato. Vê que adequado ao calendário religioso e tudo?, também é uma experiência moral. Sou magnânima, eu...
Surpresa!
Surpresa!
Vamos à missão. À do ponto 1. Missão: Abaixo os despedimentos e quem os apoiar. 
Há pessoas que precisam de cumprir x visitas a clientes, ou criar um número x de contactos por mês. Quer que percam os empregos por causa da sua negligência? Veja lá se fica com insónias!

Bom. Contacte uma empresa de aspiradores daqueles que nos aspiram a carteira. Uma vendedora/demonstradora da Bimby, a Remax. Ou aqueles senhores dos aparelhos auditivos - também pode preencher o cupão de uma revista qualquer que encontre num consultório que esta malta dos ouvidos é expedita. Ou todos. Preencha com os dados do seu amigo/amiga. Seja discreta em caso de ser amiga, por exemplo, do Mário Soares, toda a gente sabe quem é e depois acabava-se a privacidade telefónica do nosso um dia presidente e esse não é o objectivo. Portanto se for amigo do Mário Soares que se chama Mário Alberto Nobre Lopes Soares, preencha os dados como M. Alberto Lopes. E não pense mais no assunto. Está nas mãos, sei lá, do universo, do destino, do que a minha amiga quiser. Fez uma boa acção e pronto. Alguém há-de tentar e tentar e tentar vender aspiradores, a casa, aparelhos auditivos, e a Bimby ao seu M. Alberto Lopes e isso significa que alguém está a trabalhar. Linda menina!

Vamos à Missão do ponto 2: Presente Surpresa.

O presente é a tal da experiência. Agora psico-afectiva ou lá o que é. Olhe, pode oferecê-la ao seu marido/namorado/híbrido, assim, se estiverem numa daquelas fases da relação de calmaria bem oleada que deixam os rapazes de nervos em franja à espera que a morte lhes morda os calcanhares, pode evitar uma desgraça e tem assunto para uma reviravoltazinha... Conto-lhe tudo. Vá ao McDonald´s. Não coma! Preencha um daqueles currículos flash: queres trabalhar connosco? É tudo em tu cá tu lá. Ora bem. Mantenha, para o nome, a mesma discrição. Falseie os dados - tenha paciência mas tem de ser, se tiver quinhentos mil anos a malta do McDonald´s não telefona para fritar batatas, escreva 22 anos e diga que está na faculdade. Experiência anterior? Não hesite. Um ano na Churrasqueira do Campo Grande, quem sabe assar frangos, sabe virar hamburguers na chapa. E saiu da churrasqueira porque, sendo estudante, aquele horário completo não lhe servia. E já está. Que linda surpresa. Quando o seu marido/namorado/híbrido, naquele dia de marasmo amoroso, lhe vier com a conversa mistério do McDonald´s, já sabe, pergunte-lhe que menuzinho é que ele quer, afinal, alguma fast food faz bem à saúde.
Este coelhinho vai para a panela...
Este coelhinho vai para a panela...