25 de abril de 2015

Laranjas

LARANJAS

Então, é isto:
estamos no fim de Abril,
do pomar colhido
sobraram as laranjas pelo chão
e cheiro doce da noite.
E há, sei que há, uma casa
onde moras sem mim -
tu, a quem nunca vi
e chamo-te Amor.
Há-de estar uma laranja na tua mão,
como esta na minha,
hás-de estar como eu,
na cozinha,
a descascá-la do teu jeito
enquanto eu do meu, infantil,
em espiral, não te partas,
a sorrir sozinha,
quero dizer,
para ti.