16 de março de 2014

O pão dos anjos

A ROSA QUE FICA DE PÉ

Às vezes sonho segredos,
não me incomoda a estranheza,
sei que o mundo acima nos fala assim:
a língua dos anjos é uma
máquina de fazer loucos para quem
a quer entender, eu já não quero
Quando era muito novinha
e o tempo só existia fora de mim
ficava em casa a estudar tudo 
quanto apanhava, e nada chegava, 
ninguém respondia, nenhum mistério se abria 
e só Deus sabe: 
era uma forma de chegar aos céus
Nunca cheguei, claro
E sempre tive muita dificuldade
com o faça-se em mim a Tua vontade,
mas às vezes sonho segredos
e se a razão me diz isso não tem sentido
respondo-lhe não te acredito,
não há fé sem crucifixo 
Tudo quanto fiz e farei 
de bom, de belo, de bem
não começou em mim,
começou Além:
às vezes sonho segredos