17 de dezembro de 2013

Mokambo

UM BOM-DIA COM MOKAMBO
Tenho estado aqui à procura de uma palavra
não queria dizer mágica
irrita-me a palavra mágica
mas na verdade é mágica a palavra que procuro
pode ser o voo nas asas do xamã
ou qualquer gesto que enrole o tempo para trás
até mesmo o bastão de prodígios 
de onde nascem serpentes 
e a chave que abre o mar em dois
Eu que tenho a mania vitamínica da saúde
redoxon centrum alhos envelhecidos soja ácidos gordos
penso que vou ter um exacto enfarte a qualquer instante
e penso que esta hipocondria saiu de areias imprevistas
ferventes como líquido metal inesperado depois de sólido
- sei muito bem já estive no deserto
E penso enquanto pensas que é mentira vais morrer de facto
É ansiedade um ataque de pânico querem lá ver olha não é só aos outros
se vais morrer ao menos que seja a escrever 
mesmo uma merda qualquer serve se vais morrer
Lembro-me do reclame a não-café de quando era pequena:
parece que é mas não é 
que gosto que satisfação
Brasa é bebida 
que aquece o coração
É isso parece que é mas não é é um bom mantra às quatro da manhã 
yoga que gosto que satisfação em meia dúzia de posturas lentas
pombo ponte roda
abrem o peito inspira expira inspira
aquece o coração
O único clarão há-de ser o da folha branca no ecrã
porque ainda não escrevi nada do que quis escrever
e amanhã vais ter um bom dia com Mokambo