15 de novembro de 2013

ii - Homens dum raio! Meninas, não digam que não avisei...


Talvez porque não gostasse de pérolas, a minha avó deu-mas. Uma a uma. Às vezes esqueço-me delas. Mas dão um jeito do caneco: fica-se sempre composto e nunca saem de moda, é só actualizar o modo de as usar. Pérola:
Nunca por nunca julgue um homem por si, mulher. São uma raça à parte. Isto para dizer o quê? Nós douramos a pílula, usamos palavras como anéis e conseguimos, pelos deuses, basta que pense em coisas básicas, fazer uma refeição completa para quatro a partir de meia dúzia de desconxavos que encontramos no frigorífico. Ou seja: circulamos. É uma actualização das nossas mais atávicas competências de sobrevivência. Mas eles, os diabos, inventaram a puta da linha recta. Fixe isso, é fundamental para a sua sobrevivência. Amorosa.
Para os homens o amor é uma conjunção. A conjunção, claro, copulativa e. Exemplo: Eu e tu. Não usam outra. São homens. Fazem o que funciona. Caçam só o que querem comer e conseguem caçar.  Os homens vão atrás da Vénus que querem. Fazem de um tudo, mesmo tudo, não se poupam a nada quando têm Vénus na mira - até travestir-se de caçadora Diana. Linha recta, lembra-se?
Para as mulheres o amor também é uma conjunção. Todavia uma adversativa mas. Exemplo: ele ama-me, mas foi comprar cigarros há vinte anos, e se nunca voltou é porque foi abduzido por extra-terrestres. Enquanto a minha querida está a folhear revistas de ovnis a ver se avista o seu querido, a vida está passar à janela, e ele está a passear com ela.
E já que estamos nisto, para facilitar o diálogo inter-espécies, se um homem não está, não liga, não aparece, não escreve, não a ama. Ou se precisa de tempo, ou de espaço, não é porque vá aprender relojoaria ou porque seja astronauta. Não a ama. Se está em conflito, dividido ou confundido entre si e não sei mais quantas, não é porque pense que as meninas são gomos de laranja, não a ama. Os homens são territoriais: se amam, estão presentes. Se estão ausentes, a minha querida é uma Pombinha da Catrina para quem a apanhar, e ele está-se bem lixando para isso. E juro que onde quer que esteja o malvado que não a ama e foi comprar cigarros, se fumar e ela não, fuma na varanda - é o que eles fazem quando amam.