6 de março de 2013

Porque hoje é quarta-feira


POEMAS COM ADÉLIA PRADO DENTRO - i
COZINHAR, LAVAR A LOUÇA, ESPERAR
Quando as pernas juntas
só um pouco se separam
a sombra de uma coxa
repousa na outra
escuro a abrir o escuro
Estar sentada no degrau da entrada
da cozinha - uma coisa de Adélia Prado
e de mundo com quintais
estar sentada no degrau a descascar ervilhas
quando as pernas juntas
só um pouco se separam
e cabelos obstinados caem sobre o rosto
e de volta atrás da orelha
Nem um eco de um passo de homem
bate na soleira da porta e sobe ao céu
nem um eco nem um ai
mas a luz cai com uma gota de humidade
no reflexo do cabelo agarrado à face
afastá-lo para quê
se o sol brinca no joelho
Ervilhas soltam-se à mais leve pressão
do dedo que desliza no carreiro
estreito
e a sombra descansa na sombra