2 de janeiro de 2013

Poema da mulher fraca

POEMA DA MULHER FRACA
- la vie en rose -
Não bebo leite nem derivados
90% de disciplina 
10% de permissividade 
e gosto tanto de um leitinho Vigor
de um iogurte da Só Natural
de queijos então...  
mas não Soja Sun
O mesmo com o pão se não for integral
com a carne se não for magra igual
Charcutaria? Também queria
Um bolinho? Já não é mau
divirto-me cozinho-o
Mas o peixe grelhado é livre 
a sopa a salada
e que alívio a liberdade calculada
no meu prato 
e feliz sem cálculo no Natal
C´est la vie

Se me dói aqui ou ali 
nenhum beijinho para passar
90% yoga 10% de sofá
médico só se estiver mais do que para lá
Se a dor é da outra  funda de matar
aprendi com quem sabe como não a sentir
atiro-lhe um cardio-workout de a arrasar
e recompenso o corpo por me a atordoar
vitaminas mais frutos vermelhos em bagas 
ácidas ou doces germen quinoa fibras vagas
ou serradura nem sei distinguir
90% de letra de velho samba
10% para a cantar
o que tenho de fazer faço
se não for a rir 
é chorar
C´est la vie

90% do tempo sou escrava
para ler e escrever como liberta
10% do tempo até cair 
de tanto cansaço que nem dormir
C´est la vie

90% de reserva
10% de conversa 
extroversa para iludir a percentagem
90% de amor fechado 
contra 10% de aberta indiferença
90% de alegria risonha
para 10% de cavalos de fúria
C´est la vie

Assim 10% de força
dominam 90% de fraqueza
C´est la rose