17 de dezembro de 2012

Doutor Raton

Surripiado daqui. Ó.

O RATO DOUTOR DIZ: SÓ É VALENTE QUEM TEM MEDO
Estava deitado
Queria dormir
Já estava cansado
De tanto tossir
De repente
Àquela hora
Ouvi passos lá fora
Bateram-me à porta
Eu fui abrir
E para meu espanto
Muito espantado
Quem é que estava
Do outro lado
Quase rente ao chão?
Um Rato tão pequenino
Bem mais baixinho
Que a pata do meu Cão
E carregado com um enorme malão…
Então vê-me neste estado
Morto de cansado
E não convida para entrar
Que falta de educação!
E quem é o senhor?
Ora essa! Sou o famoso Rato Doutor
Aqui ninguém está doente
Mente mente mente
Tanto que lhe abana o dente
Da frente
Não sabe que de mentir
Até um dente lhe pode cair?
É vá de rir, o Rato Doutor, todo contente
Da mentira convincente
Vá, ande, mostre a língua
Como se fosse malcriado
E deixe auscultar esse chiado
Não fuja
Não vê que não lhe faço mal
Faço-lhe bem, aqui ou no hospital
Dou-lhe remédios e mesmo picadas
Às vezes doem um bocadinho
Outras nem se sentem, é cuidado mansinho
Seja valente seja um samurai
Se quiser gritar ai ai
Faça um kiai
Sim, mesmo os guerreiros
Mais poderosos
Sentiam medo, mas deixavam-no sair
Disfarçado…
Porque eram vaidosos
Não queriam chorar
Respiravam fundo
E toca a gritar
Antes de atacar
Força. Grite tudo uma só vez:
Um grito assusta o medo, fá-lo passar
E ficar calmo para se tratar
Depois de tratado
Vou para outro lado
Com o meu malão
Vou bater à outra porta
De outro valentão.