23 de novembro de 2012

Porque hoje é sexta-feira

DO SILÊNCIO DO MEU CORAÇÃO ME OUVES
Um dia falei com o Mestre Cruzeiro Seixas
ao telefone
ele por sua tanta amabilidade agradeceu-me um texto
que tolice eu é que obrigada
e levou-me a passeio pelas memórias
longa mata cheia onde pássaros cantam ainda 
porque a verde memória deles cantando canta também
Foi então que confirmei:
o mundo estava ao contrário
e sem surrealismo algum
até a vanguarda era para trás
(o tempo a velha serpente sempre jovem a morder a própria cauda)
e decerto estava presa pelos pés à terra
como quem faz o pino a começar do céu -
não tinha percebido que era uma foca amestrada
porque nunca tinha visto focas em liberdade:
na escola onde andei já crescida as paredes
eram em amarelo fluorescente e um lollipop hipnotizante
andava à roda o dia inteiro na mão dos ilusionistas
que nos tinham na mão
se a bola no nariz
sardinha no papo
qualquer pessoa fica ou doida varrida ou domesticada
ou fugida
eu fugia muito para o Café Gelo pensava que eles todos
ainda andavam por lá numa mágica temporal
onde o relógio se guardasse imóvel
Quando falei com o Mestre ao telefone
soube que tinha mesmo ido ao Café Gelo
A matéria do pensamento não é tão subtil como julguei:
se te chamar do silêncio do meu coração
amor
tu ouves-me