20 de novembro de 2012

Bloga! Ó Bloga, vem cá ao Cão...


CUIDADO COM O CÃO!
No outro dia, estava a reler como sempre releio o meu querido Vinicius - uma alegria que me dei quando há muitos anos mandei vir pela 111 a obra completa dele, num só volume feliz, com páginas em papel bíblia e tudo ali, à mão de semear, tudo como deve ser, ie, como se nada fosse. Releio, aliás, muito e todos os meus queridos, até porque ler, de fresco, cada vez leio menos. Derivei, que nervos. De volta. 

No outro dia estava a ler PARA VIVER UM GRANDE AMOR, do Vinicius de Moraes. E pensei: com excepção do amor pelos filhos, família, amigos, o amor, aquele amor que cada um sabe qual foi e porquê, não interessa se porque foi o primeiro, se porque o último, ou o pior, o amor, aquele amor que foi o inferno no céu dos dias, ou o contrário, ou o amor nosso de cada dia, que amor é? Como é amar? O que é o amor?

Então, proponho-lhe: 

1. escreva uma crónica, confessional ou filosófica, lírica e dionísica, ou de um racionalismo de emparedar Eros, tanto faz logo que o faça de gosto e não seja em mais do que uma página A4 - toda a gente sabe que o amor cabe perfeitamente numa página A4. E conte-me logo, está o email lá em baixo, para que vá lê-la e linká-la e postá-la aqui também. E se quiser, convide quem quiser a juntar-se, que raio, os tempos vão duros, o inverno está à porta e o amor aquece os pés; 

2. para começo de conversa, convido, do ESCREVER É TRISTEos seguintes rapazes à escrita: Manuel S. FonsecaFernando Canhão. Do DELITO DE OPINIÃO, a Ana Vidal e a Gui Abreu de Lima

3. `bora lá.