29 de julho de 2012

Tenho de explicar tudo, eu?!

Esqueça tudo quanto a Mãe ensinou até que chegue a altura de educar a sua filha, aí logo brinca de ser a sua Mãe. Não, não é pelo estômago que se fisgam os peixes, perdão, os rapazes. É pelos lindos olhinhos que eles têm grandes como bogas - por isso, e pelas bogas que nos atiram se confundem com peixes. Mantê-los é outra conversa e que envolve mais sentidos além do da visão- noutro dia, agora é Verão.

Mal comparado é como o toque e foge: aparecer-lhes aos olhinhos é o toca, logo a seguir, foge-se. Não se preocupe, não se mace. Se ele quiser, vai atrás. Ou melhor, eles vão atrás - é o que os diabos dos peixes sabem fazer de bem feito: quando querem alguma coisa, nadam que se fartam. Perdão, os rapazes, mexem-se. Mas não esqueça o lindo plural. Eles. Que isto de rapazes é como as acções: uma só não dá poder negocial, é preciso uma fartura delas.