29 de julho de 2012

Evangelho Segundo a Cabeça de Cão



[Heartburn, de Mike Nichols, ficciona a relação da sua argumentista, Norah Ephron, com o seu ex-marido: casamento e divórcio com Carl Bernstein do Washington Post - sim, esse mesmo, o do Watergate. Ou, se calhar, apenas a questiona para a resolver - mito, claro, não se resolvem factos passados, progride-se, ou não, para outros futuros.]

O pai deRachel (quando esta está inconsolável com a traição do marido): There´s nothing you can do. If you want monogomy - marry a swan.
[...] 
Rachel, no jantar: Then the dream dies. [...] Which leaves you with a choice: you can either stick with it, which is unberable, or you can go off and dream another dream. Can I have the car keys, please?



Cabeça de Cão : Palavra da Salvação.
Leitores do Cabeça de Cão: Mas o casamento vai mais, muito mais além da fidelidade ou da infidelidade. E o sonho é uma coisa, a realidade é outra.
Cabeça de CãoO casamento é lixado, exige muito: convém que seja muito bom ou não seja de todo. Precisamente por isso, por ir além de e tantas vezes ficar aquém de, por comportar tanto, mesmo de desejo de um ideal terceiro contra um concreto e quotidiano cônjuge, a fidelidade é fundamental. Além disso, onde há infidelidade há vítimas de abuso: em cada exacto momento em que se prefere a infidelidade, pretere-se o casamento - é um facto. E como dizia a própria Ephron: be the heroine of your life, not the victim. É preciso aceitar a responsabilidade, é isso que permite a escolha: permanecer ou partir, ninguém é vítima sem querer sê-lo - não falo de violência criminosa e aleatória. Life´s a bich and then you die: mais vale ser implacável na demanda do que se quer e aceita. Dimanche há mais.